Um (belo) ponto de ironia

No mês passado tive a oportunidade de visitar uma exposição belíssima organizada pela Fundação Vera Chaves Barcellos. A Sala dos Pomares, local onde a exposição acontece, fica em Viamão, dentro do Sítio onde Vera Chaves Barcellos mora e produz seus trabalhos.

Um ponto de ironia - Fundação Vera Chaves BarcellosFiquei surpresa com a qualidade das obras que compõem a mostra. Lá estão esculturas, instalações, quadros, fotografias, montagens e vídeos da década de 60 e 70, principalmente. Todas têm em comum o tom questionador, que faz parte da ironia, certo?

O destaque, na minha opinião, vai para os trabalhos de arte postal. Confesso que não conhecia muito essa forma de divulgação artística, mas achei genial. Pessoas que não se conhecem trocam postais que são verdadeiras obras de arte. O movimento esteve em alta nos anos 60, quando a liberdade de expressão foi bastante restringida em diversos países da América  Latina. Acredito que ainda existam grupos que compartilham sua arte dessa forma.

Toda essa história me fez lembrar que, algum tempo atrás, recebi pelo correio um postal de uma amiga muito querida. Como fazia bastante tempo que só chegavam contas e malas-diretas aqui em casa, fiquei bem emocionada. Com certeza não é a mesma sensação de receber um e-mail. O trabalho de escolher uma imagem, redigir um texto à mão, colar um selo e, principalmente, lembrar o endereço do destinatário, tem um significado único.

Sim, estou tendo momentos super nostálgicos nos últimos tempos.   🙂

BTW, visitem a exposição e aproveitem bastante.

Anúncios

Música na rua

Hoje conheci alguns dos projetos musicais mais bacanas dos últimos tempos. Com certeza.  São projetos que nasceram na Europa e que incentivam músicos e artistas (alguns deles pouco conhecidos) para fazer um som acústico em locais inusitados e de uma maneira bem crua.

O primeiro projeto que encontrei foi o Videotapas que surgiu em Barcelona (Espanha).  No Videotapas os músicos são convidados a ir para a rua e tocar para públicos sem aviso prévio nem nada.  A idéia é sempre fazer um plano sequência, captando o som ambiente e a expressão do público.  É lindo demais!

Aqui vai o primeiro vídeo que assisti deste projeto (dica da @bamp):

Outro projeto e que vai na mesma linha (e que serviu de inspiração para o Videotapas) é o Francês Les Concerts a Emporter, do blog La Blogothèque.  Inclusive, encontrei uma referência muito legal, no blog da Agência Alavanca, sobre iniciativas parecidas que estão começando a acontecer aqui em Porto Alegre. Trata-se de um vídeo gravado pelo pessoal da banda Apanhador Só que se inspirou no estilo Les Concerts a Emporter. Dá uma olhadinha:

O outro é o Black Cab Sessions, que produz vídeos de músicos muito interessantes tocando em um Táxi. As imagens são super bonitas e o clima espontâneo. Parece que as músicas ganham outra vida nesses vídeos.   Aí vai o vídeo da VV Brown no Black Cab:

É impressionante o poder que tem a expressão da arte na rua.

O Rio continua LINDO

Na semana passada resolvi me dar de presente (de aniversário mesmo) um final de semana prolongado no Rio de Janeiro. Além da beleza da praia, que nem precisa ser comentada aqui, pude curtir duas coisas maravailhosas: uma exposição sobre arte moderna russa e o Anima Mundi. Então, vou comentar um pouquinho sobre as duas:

Exposição Virada Russa, no Centro Cultural Banco do Brasil

A exposição apresenta mais de 100 obras que representam um caminho pelo pensamento artístico e político da Rússia em torno da Revolução Bolchevique. Vale dizer que foi daí que surgiram vários vanguardistas, que junto com os franceses, fundaram as bases da Arte Moderna.

Lá são encontradas obras clássicas de Maliévich (a tríade Cruz Negra, Quadrado Negro e Círculo Negro), Ródtchenlo (Círculo Branco), Kandínski (Cruz Azul) e Chagall (Promenade). Em sete salas, é possível ir entendendo como era o contexto artístico na época, quais as obras que deram início ao suprematismo e ao construtivismo e, por fim, como acabaram sendo aplicadas as técnicas artísticas em cartazes, tecidos e objetos de design.  É lindo!

Promenade, Chagall

Círculo Negro, Kázimir Maliévitch

Círculo Negro, Kázimir Maliévitch

Acho que visitei a exposição umas três vezes. Na última pegamos uma carona com uma monitora, que foi orientando a visita. No grupo que estava sendo conduzido por ela, estavam pessoas de diferentes idades e classes sociais, todas com entendimentos muito diferentes sobre a arte. Foi muito legal ver a maneira como cada um foi construindo a seu entendimento sobre aquelas obras.

Mais Informações:
Virada Russa – A Vanguarda na Coleção do Museu Estatal Russo de São Petesburgo

Rio de Janeirode (CCBB): de 23 de junho a 23 de agosto de 2009
São Paulo (CCBB): de 15 de setembro a 15 de novembro de 2009

Site do CCBB


Anima Mundi 2009

O Anima Mundi está em sua 17a edição, e coincidiu logo com o dia em que cheguei ao Rio de Janeiro. Esse ano o festival oferece palestras, oficinas, debates, exibição de longas e de curtas com direito a voltação do público. O clima estava mais do que divertido e eu, que gosto muitíssimo de animação, aproveitei duas exibições de curtas.

A sessão Curtas 2 recomendo com todas as forças. Na minha opinião, dois curtas se detacaram nesta sessão:


No Corras Tanto (Espanha)


Le Thé de L`Oubli (França)

Clique para assistir o vídeo (vídeo não permite embed)

Clique para assistir o vídeo (não permite embed)


No segundo dia assistimos à sessão Curtas 10, que tinha uma estética um pouco mais dark, pessimista.  Mas, curti muito principalmente estes dois curtas:


How to Destroy the World “Transport”  (Reino Unido)


The Rooster, the Crocodile and the Night Sky (Irlanda)

Não encontrei o vídeo. Vá ao Anima Mundi para assitir. :)

Não encontrei o vídeo. Vá ao Anima Mundi para assitir. 🙂

Mais Informações:
Anima Mundi 2009 – 17o Festival Internacional de Animação do Brasil

Rio de Janeirode: de 10 a 19 de julho de 2009
São Paulo: de 22  a 26 de julho de 2009

Site do Anima Mundi

Eu

Ana Migowski, arquiteta de informação, mestranda do PPG em Comunicação e Informação (UFRGS), graduada em Comunicação Digital (Unisinos) e estudante do Bacharelado em Ciências Sociais (UFRGS). Apaixonada por antropologia, cinema, teatro, tecnologia e afins. Uma geek com um Q de bicho grilo. :)

Twittei

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Lá no Flickr

%d blogueiros gostam disto: